segunda-feira, 12 de julho de 2010

Alucinada


Eu estou indo para aquela montanha

Aonde o frio nunca bate

E o sol não é muito quente.

Estou subindo devagar

Porque os meus pés estão dormentes.

Lá sentirei a brisa da manhã ao acordar

E o sereno cair ao anoitecer,

Terei preguiça de me levantar

Quero ali ficar

E sozinha falecer.

O meu cadáver os pássaros

Não irão comer,

E como sentinelas ao meu lado

Irão permanecer,

Guiando minha carne como se eu estivesse

Acabado de nascer.

Viverei igual ao vento

Tímida, sem mostrar a minha cor,

E os pássaros comigo

Irão aonde eu for.

Mas um dia descerei de lá

Sem na terra precisar pisar,

E de tanto repousar com os pássaros,

Quem sabe eu, não aprenda a voar!

By- Juliana Bizarria


Poema mega master idoso, escrito a long time ago!

3 comentários:

Anônimo disse...

Aplausos!

Gunnar Vargas disse...

adoro-te ler :)

Rafa. disse...

Minha eterna Maninha continua escrevendo seus poemas de forma sensacional, única e particularmente sensível a coisas que o mundo deixa passar de forma tão rápida.

Parabéns!

Teu blog já está lá linkado no meu. bem verdade que eu já tinha passado por aqui antes, mas faltava o comentário que sei lá eu porque... Não tinha feito antes. Farei sempre.

Beijos!